domingo, 26 de dezembro de 2010

Para ZC.

O velho álbum de fotos me mostra muitos rostos conhecidos e queridos. Eu aprendi tanto com cada uma dessas pessoas representadas.
Com umas descobri que se deve aproveitar ao máximos os pequenos momentos de diversão e até os de tédio, pois muitos deles só tem um verdadeiro valor quando não podem mais ser vividos.
Com outras descobri que é preciso ter responsabilidade, algumas atitudes inconsequentes mudam nossa vida completamente e nos tiram algumas chances que não podem ser recuperadas.
Com uma especial aprendi o valor da amizade, da confiança, da fé, da coragem e da perseverança, mesmo essa pessoa não sabendo que me ensinou isso tudo.
Com muitas me diverti muito, cansei muito, dancei muito, ri muito.
Com quase todas elas fiz coisas uteis e inutéis.
Com algumas eu fui para os bares, com outras pulei na piscina na chuva.
Eu e meus amigos já viramos cowboys jogadores de pôquer, já quase enfrentamos o Vaticano numa batalha Épica, já viramos vampiros, já viramos crianças, estrategistas e donos de vários imóveis.
Eu sofri muito por causa de algumas dessas pessoas, chorei muito para algumas delas e também vi muitas sofrerem e chorarem e estava lá, para cuidar delas.
Eu passei cola quando precisaram, eu ajudei com dinheiro e fui ajudada.
Eu briguei com muitos deles com motivo ou sem motivo.
Eu estava com eles quando nevou em Patos de Minas e quando a gente escalou uma montanha muito alta.
Com eles eu já fui João, La, Lala, Mana, Nenem, amiga e vários outros apelidos.
Eles já foram meu Will, Dindinha, Willa, Banana, Fazenda, Farm, Fa, Pedro, Peter,Elyene, Toxic, Allan, Handan, Dandan, Irmão....
Estar com eles já foi motivo de raiva, de impaciência e de nervossismo. Mas era o mais importante pra mim.
Ai eu fui embora.
E no dia que eu fui embora eu chorei como se alguém tivesse morrido.
E eu fico feliz por ter chorado, por que quando voltei aqui, não encontrei as mesmas paisagens ou as mesmas pessoas que hoje eu vejo nas fotos.
Eles aprenderam tanto e mudaram tanto sem mim. Eu mudei tanto sem eles.
As rotinas não eram as mesmas, os gostos variavam, os assuntos mudaram.
As escolhas foram feitas e muitos deles partiu além de mim.
Hoje eu parei para ver essas fotos e doeu muito em mim.
Mas é preciso entender: as coisas mudam. A mudança é a única coisa constante. Eu fiz minhas escolhas, vocês fizeram as de vocês. As consequências dessas escolhas incluíram algumas perdas e é necessário aceitar que algumas coisas e momentos não podem voltar.
Só tem uma coisa que não pode ser tirada de nós, nem perdida e essa coisa é o que a gente é.
Por que o que a gente é foi construído e transformado por cada uma das pessoas; ações e momentos que eu descrevi acima.
Muitas vezes a gente não percebe o quanto a gente mudou porque é muito sutil e lento. Mas as vezes eu olho no espelho e não me reconheço direito, eu digo certas coisas que não parecem ter sido ditas por mim.
É difícil encarar a mudança e o fim de algumas coisas, mas é preciso.
Precisamos seguir em frente, conhecer gente nova, viver coisas novas. Precisamos nos construir a cada dia, precisamos nos encontrar e fazer a nossa vida valer à pena da forma como escolhemos. E precisamos entender as decisões uns dos outros e apoiá-los.
Amo vocês e quero que pensem sobre essas coisas que eu passei muito tempo pensando.
Tentem entender, tentem se entender. E aí a gente vê no que dá.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Reaparecendo.

O tempo passou rápido, a preguiça de escrever me pegou de jeito, a falta de acesso à internet também não me ajudou e meu blog acabou abandonado.
Não prometo que vou voltar, como estamos chegando no fim de ano, provavelmente postarei algo.
Mas não prometo ficar para sempre.
As coisas tem que acabar, tem que passar.
O passado tem que ficar no lugar ao qual ele pertence.
E temos que ter a coragem para seguir em frente e encarar a mudança e a renovação.

domingo, 19 de setembro de 2010

Selo

Nessa férias estou postando com muita frequência e espero continuar nesse ritmo quando as aulas voltarem.
O motivo da minha postagem de hoje foi que eu ganhei um selo do meu amigo Pseudocientista, o Tiêgo. Tinha muito tempo que eu não ganhava um selo, acho selos importantes, pois é uma forma de homenagear os blogs que realmente gostamos.

O selo é:


Os indicados por mim são todos aqueles que comentam aqui com frequência.
Vamos agora às perguntas:

- Qual é seu melhor texto?
Isso é relativo como quase tudo no mundo é. Mas agora escolho esse como meu melhor: http://pinguimongol.blogspot.com/2010/01/ser-humano.html. Tava vasculhando os arquivos, por que eu meio que não lembro de nada que escrevi, talvez por isso eu escreva muita coisa repetida.

- O que te inspira a escrever?
A vontade de compartilhar minhas idéias e reflexões com outras pessoas e a necessidade de descarregar um pouco da enorme quantidade de coisas que passam pela minha cabeça.

- Você admira algum escritor? Qual?
Admiro Joanne Kathleen Rowling, autora de Harry Potter, a história dela fez parte do meu crescimento e por mais que digam que é bobo e infantil eu não me importo. e admiro também Jostein Gaarder, autor de O dia do Curinga e de O mundo de sofia, ele ensina, através dos seus livros, a filosofar e acho isso muito importante.

- Indique um bom livro.
O dia do Curinga - Jostein Gaarder.

- Indique um blog.
Não Salvo

Enfim, por hoje é só, em breve volto com assuntos mais tensos.

sábado, 18 de setembro de 2010

Que país é esse?

Acabei de ver uma notícia que me deixou revoltada:

http://noticias.r7.com/rio-e-cidades/noticias/policia-usa-arma-e-spray-de-pimenta-para-dispersar-protesto-de-adolescentes-em-belem-20100918.html

Por quê? É só o que eu quero saber. As crianças protestavam pacificamente por algo que elas achavam que tinham direito e que na minha opinião tinham mesmo. Protestavam com cartazes feitos com a cartolina mais barata, escrito por eles mesmos e por que jogar spray de pimenta neles e dar tiro pra cima? Tem dois pontos nessa atitude estúpida que eu quero ressaltar:

- Eu, como ex estudante de escola pública, sei como as condições são toscas e como a maioria dos alunos nem se importa com ter ou não ter aula, sala, refeitório ou quadra, desde que se passe de ano. Agora, esses alunos se importaram, agiram de maneira digna e foram repreendidos por um policial estúpido que não sabia direito nem onde guardava a arma.


- Prender traficante a policia não prende e os grandes e verdadeiros bandidos circulam pelo planalto central tranquilo e ai de quem ousar jogar spray de pimenta neles ou da um tiro pra cima lá perto.

Isso é muito vergonhoso. É revoltante na minha opinião. E se querem saber por que eu estudo pedagogia, que pra maioria das pessoas é um curso atoa, é pra melhorar nem que seja um por cento dessa porcaria desse país. É um país onde o respeito, a dignidade e a educação estão morrendo. E eu pretendo salvar nessa que seja uma porcentagem insignificante disso. Mas por hora fica aqui a minha indignação. Não sei se escrevi muito bem, porque eu estou muito brava, mas espero que quem tiver lido entenda.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Confissão

Muita gente me julga, mas quase ninguém me conhece. Nessa postagem quero confessar uma coisa: nem as pessoas mais próximas de mim sabem muito a meu respeito, eu me escondo, eu me reprimo, eu não sou cem por cento sincera. Eu tenho medo e achava que meu medo era de magoar as pessoas, mas o meu verdadeiro medo é de me deixar machucar pelos outros. Se as pessoas pudessem ler meus pensamentos, muitas ficariam longe de mim ou não gostariam tanto de mim Não que muita gente goste, mas eu acho que assustaria algumas pessoas. Eu me reprimo e me escondo tanto que hoje não sei quem eu sou. Eu sei que sou covarde, sei que tenho uma autoestima ridícula, sei que to tão escondida que olho no espelho e não me reconheço. Sei que tenho medo das minhas reações inconscientes e sei que tenho medo do futuro se eu continuar assim. Mas não sei onde está a solução. Sei que tenho um medo absurdo de ficar sozinha e sei que se eu não me mostrasse, eu muito provavelmente ficaria totalmente sozinha.
Aguento e aguentarei essa sensação estranha de não me conhecer até que o que eu tento matar em mim esteja realmente morto. E que ninguém venha me perguntar sobre isso, não vou responder.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Inútil.

Então galera, mudei o layout do meu blog, ficou muito colorido, mas, por favor, não pensem que eu sou uma colorida, por que eu não sou (nada contra os coloridos, é só que eu não sou mesmo).
Acho que preciso mudar várias coisas.
Preciso emagrecer, mas nada urgente, não to muito gorda, mas tem umas gorduras estranhas crescendo pelo meu corpo que realmente me incomodam e eu queria tirá-las. O problema é que eu sou muito sedentária, preguiçosa e o que eu mais amo na vida é comer e dormir. Vou tentar fazer exercícios, por que assim fico um pouco mais saudável. Ficar saudável é importante para algumas pessoas e suponho que vá ser para mim também quando começarem os problemas de saúde. Saúde também é aquele tipo de coisa para qual a gente só da valor quando perde.
Nessas férias estou me sentindo uma pessoa muito inútil: me rendi ao twitter. Eu costumava odiar o twitter, é uma coisa muito inútil mesmo. Para quê um microblog quando se pode ter um blog decente onde você possa se expressar com quantos caracteres for necessário? Mas me rendi e entendi um pouco de como essa coisa funciona. O twitter parece preencher uma certa carência que as pessoas tem atualmente por culpa desse mundo que está cada vez mais informatizado. Todo mundo está na internet, é uma segunda vida. E as pessoas sentem essa necessidade de viver o máximo possível nesse segundo mundo. É meio triste, me sinto muito inútil quando passo oras no twitter, pois, afinal, só falo coisa boba lá. Mas fazer o que, mais do que nunca me sinto vazia, com tempo de mais para fazer nada e busco em toda fonte possível distração. Vou na biblioteca essa semana procurar um livro, é mais útil que ficar no twitter.
Meu Deus, como eu sou hipócrita.
Mas enfim, daqui a duas semanas volto para minha vida de faculdade, cursando o máximo de disciplinas possíveis (tentando preencher o vazio) e aproveitando o meu tempo para tentar ficar mais saudável.
Por ora é só isso, até mais.

Ps: Desculpem o post ter sido tão inútil quanto eu estou sendo nesses dias de férias fora de época.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Tanto faz.



Eu sinto um vazio muito grande, e não, não é fome. Tão pouco é ruim. Me incomoda por que eu não compreendo esse vazio.
Eu me sinto estranhamente livre e desapegada de coisas e pessoas. Me sinto conformada.
Acho que gastei todas as minhas fortes emoções semanas atrás e me restou só o tanto faz.
E para falar a verdade: tanto faz mesmo.
Desde que eu posso desfrutar meus cafés, meus cigarros, meus amigos e uns bons filmes tanto faz o resto.
Preciso reforçar o fato de que essa sensação é estranha, mas não é ruim.
E não sei se com isso estou tentando convencer a mim mesma ou aos outros e não me importa.
Por que realmente, tanto faz.


-Atualizando meus leitores: Estou em Patos de Minas de férias, sim, por causa da grve só estou tendo férias agora. Eu e meu namorado terminamos depois de quase três anos e por mais que as pessoas duvidem nós continuamos amigos. Passei em todas as disciplinas da facul e agora pretendendo dedicar um tempinho ao blog. Beijos a todos, até mais.

Música: Lost! - Coldplay

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Vai passar.

Vai passar, tudo na vida vai passar. Você vai mudar de amigos, de estilo de gosto e de opiniões. Você pode mudar para melhor, mas você também pode piorar. Um dia você vai olhar fotos e pequenas lembranças de momentos vividos e vai pensar “O tempo podia voltar e tudo podia ser como era antes”. Mas isso não vai acontecer. Você pode adiar um encontro, uma briga, uma decisão, mas não pode segurar o tempo e ele vai seguir seu curso e vai levar muitas coisas suas e junto com isso trazer várias outras. Parece muito triste e muito trágico pensar em perder, aceitar as mudanças, mas é necessário pensar nisso para que o choque seja menos doloroso. Então, o que resta é simplesmente aproveitar da maneira que te deixa mais confortável: seja lendo um livro, indo à festas, dançando, cantando ou até mesmo chorando. Só não tente lutar contra e tente aprender o máximo possível com essas passagens. Por que é a única certeza que hoje tenho: vai passar.

'A minha condição de caloura no início e no final do semestre'

- Então amigos blogueiros, minha postagem de hoje é um tanto quanto diferente. Hoje estou postando o trabalho de fim do semestre de Oficina Vivencial. O professor pediu que nós fizéssemos esse trabalho de forma criativa e que nos agradasse e nada me agrada mais do que a oportunidade de postar no meu bloguinho :S Então vamos ao trabalho:

Entrei na faculdade muito empolgada, assim como a maioria da turma....


... Tivemos uma recepção muito boa...



Mas aí veio a greve.... e eu tive que ficar muito tempo na colina.


Aí as aulas voltaram e eu fiquei na espera com meus colegas....


E tivemos aulas e momentos muito bons.

Ai eu fui me aproximando das pessoas, passando muito tempo conversando com elas, descobri na sala de aula aqueles com hábitos e gostos parecidos com os meus e formamos um grupo que não tem uma foto de todo mundo junto para eu postar aqui.

E aí veio o Enepe onde a gente trabalhou muito, mas se divertiu muito também E aumento o meu contato com várias pessoas com que eu só falava um 'oi'no corredor.



Enfim, o contato com todas essas pessoas, do meu semestre e de vários outros me ajudaram a fazer mais parte da vida universitária. Vir sempre aqui na FE, vir ás aulas de oficina vivencial, sair com meus amigos daqui me fizeram ser aceita nesse mundo no qual eu vou passar mais uns 4 ou até 7 anos (por que a faculdade pode ser os 4 piores anos das nossas vidas ou os melhores 7) e ser aceito e querido é muito importante.

sábado, 7 de agosto de 2010

Não consigo mais escrever.

As palavras não saem mais.
E quando saem, saem desconexas, complicadas, desordenadas.
Eu não gosto de escrever por escrever, gosto de escrever para passar coisas que eu acho importantes.
Será que morreram as coisas importantes que eu tinha para passar pro mundo?
Será que eu me tornei uma pessoa menos interessante?
Ou será que o fato de um passar o dia inteiro conversando e trocando idéias me deixe com a sensação de não ter nada a dizer?
Eu, sinceramente, não sei.
Gostaria de voltar a escrever como antes e vou fazer um esforço para que isso aconteça.
Nem que seja para narrar o meu dia ou postar uma frase ou um texto para reflexão.
Vou voltar a exercitar minhas palavras. 
Prometo.

Ao som de Kate Nash - Mariella


segunda-feira, 26 de julho de 2010

...

E o que tem que nascer nasce
E cresce
E se desenvolve
E se reproduz
E envelhece
E morre.

Mas seria a morte o fim absoluto?
Talvez a morte seja seja só um recomeço.
E talvez seja um ciclo.


- Olá, meus caros amigos do blog. Sumi, estava ajudando no Encontro dos estudantes de pedagogia. Recebemos mil e duzentas pessoas aproximadamente. Foi muito bom. Houveram os problemas, mas no fim, me sinto aliviada e ano que vem vou no Enepe na Paraiba.
Nessa semana do encontro, dormi por 10 dias numa sala de aula, com varias pessoas de varios semestres do meu curso, foi muito bom, houve uma interação maravilhosa para mim, intensifiquei varias amizades e pensei em varias coisas. Me sinto confusa agora, mas me sinto muito feliz.
Enfim, escreve esse trechinho ai em cima para expressar um pouco da confusão que está acontecendo na minha cabeça. Normalmente, ficaria envergonhada de postar isso, mas decidir mudar.

domingo, 11 de julho de 2010

Crescendo ou não crescendo?

Talvez eu esteja me tornando uma adulta. E por isso esteja ficando mais calada, tentando ter mais responsabilidade e esteja fumando mais. Quando a gente pensa no futuro, tudo parece muito simples: vou passar no vestibular ou procurar um emprego dos meus sonhos, me formar, crescer profissionalmente, casar e/ou ter filhos e fim. A realização disso tudo é que é complexa. Ter inumeras responsabilidades sobre você acaba de transformando de alguma forma. Acaba te deixando mais sério. Eu parei, por exemplo, de ver algum lucro em me embebedar e me entorpecer de alguma forma ( mas não que eu não vá fazer isso nunca mais….) e passei a ficar irritada quando, por motivo de tédio principalmente, me submeto a esse tipo de coisa. Eu estou gostando de ser eu. Apesar dos pesares, é bom estar ocupada, é bom ter que estudar, é bom conversa coisas serias… Crescer é bom. É muito dificil, mas é bom. E não que eu esteja dizendo que agora eu já sou “gente grande”, muito pelo contrário: sou universitária. Mas afirmo que o processo começou para mim. Gostaria muito de poder retardá-lo um pouco, estou me sentindo chata. Bom, já me contradisse aqui. Mas é que, sei lá, é tudo tão estranho agora. Perdi medos velhos, ganhei medos novos. Ganhei amigos, oportunidades para fazer várias coisas, ganhei visões novas de futuro e um pouco de maturidade. Enfim, é tudo tão confuso que não sei se alguém além de mim vai ser capaz de entender o que eu quero dizer. Não sei nem mesmo se eu entendo.

Fim.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cansada.

Eu estou sempre tentando dizer várias coisas nos subentendidos.
Mas se as pessoas não escutam , não entendem e não respeitam o que eu digo literalmente… Imagine o Resto.

Desculpem a falta de inspiração galera, a semana vai ser corrida. Vida de universitário é muito foda.

Eu - By Tak
Música do dia: Kane Nash - Foundations.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Atualizando.

Voltei! Agora bem mais a vontade, já que meu presente de ser aprovada na UnB chegou e é um notebook bem legal.
Agora posso postar com mais liberdade, quando eu quiser e coisa e tal.
Eu desapareci daqui por que as ultimas semanas foram um tumulto: era jogo do Brasil, era texto de faculdade pra ler, era texto de bolsista pra ler, era buscar computador, configurar computador, tentar desfrutar o computador… Foi corrido! Estou exausta, até meu cerebro dói. Vou demorar um pouco para me acostumar com esse estilo de vida cada vez mais universitario mais chego lá.
As coisas deram incrivelmente certas essa semana: eu ganhei o note, ganhei um emprego como bolsista, vou trabalhar de monitora no Enepe (Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia) para ganhar creditos e pontos para o mestrado e recebi a bolsa sem ter trabalhado. Sim, a greve dos servidores da Unb continua,e isso afeta vários setores aqui.
Sobre a ultima postagem as coisas melhoraram um pouco. Quem consegue interpretar aquela letra como ela deve ser interpretada e me conhece entenderá o que está havendo. Mas quem não entender, é de boa,vai passar como tudo na nossa vida passa.
E daqui a pouco tem mais um jogo do Brasil. Correria pra mim de novo: é ver jogo e ir ver a exposição da Trebuchet do meu namorado. Vai ser legal o dia.
Bom, por hoje é isso, queria so atualizar o que ta havendo e justificar minha ausência. Depois volto com textos mais filosóficos e coisas do tipo.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Eu nào entendo o que está acontecendo....


... Mas está doendo, está incomodando. e só me resta resistir e ser forte.

One - U2

Is it getting better?
Or do you feel the same?
Will it make it easier on you now?
You got someone to blame

You say one love, one life
It's one need in the night
One love, we get to share it
Leaves you, darling, if you don't care for it.

Did I disappoint you?
Or leave a bad taste in your mouth?
You act like you never had love
And you want me to go without

Well, it's too late, tonight,
To drag the past out into the light
We're one, but we're not the same
We get to carry each other, carry each other
One

Have you come here for forgiveness?
Have you come to raise the dead?
Have you come here to play Jesus
to the lepers in your head?

Did I ask too much, more than a lot?
You gave me nothing, now it's all I got
We're one, but we're not the same.
Well, we hurt each other, then we do it again.

You say:
Love is a temple, love a higher law
Love is a temple, love the higher law
You ask me to enter, but then you make me crawl

And I can't keep holding on to what you got
When all you got is hurt.

One love, one blood
One life you got to do what you should.
One life with each other: sisters, brothers.
One life, but we're not the same.
We get to carry each other, carry each other.
One love! One!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Desabafo sobre uma atitude não explicada

Já me chamaram muitas vezes de incoerente. Eu, sinceramente, nem sabia o que isso significava. Eu não me importava, mas agora que sei o que quer dizer, parei para pensar sobre o assunto. Sim, sou um tanto incoerente. Não sou uma pessoa muito lógica ou racional. Sou uma menina impulsiva e emocional. Mas tenho meus motivos, minhas experiências, minhas companhias e minha educação fizeram de mim assim. Quando eu digo: eu não gosto daquela menina. Eu vou explicar o porquê. Eu não faço coisas sem explicação. Eu deixo claro. E eu gosto de clareza, gosto de sinceridade. Não gosto de enrolação. E acreditem, eu sendo essa “garotinha” emocional e chorosa sou muito mais clara e coerente do que uma pessoa que se diz racional. Mas eu luto para manter minha consciência sempre limpa e não estou vendo nenhuma sujeirinha nela no momento.


- Desculpem o meu desabafo, coisas chatas aconteceram hoje e eu fiquei muito nervosa. É muito bom ter um blog, ele esta sendo meu melhor amigo no momento.

domingo, 6 de junho de 2010

Recomendo uma leitura:

A semana que passou foi divertida. Fui na minha primeira festa de faculdade. Sai com amigos, comi muita pizza e li um livro do curso muito legal chamado: Não espere pelo epitáfio: provocações filosóficas, do Mario Cortella. Recomendo o livro aqui por que ele é algo que dá pra tirar lições para a vida toda. Nesse livro, li um trecho desse “poema”:

PESADELO
Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro
Quando um muro separa
Uma ponte une
Se a vingança encara
O remorso pune
Você vem me agarra
Alguém vem me solta
Você vai na marra e ela um dia volta
E se a força é tua ela um dia é nossa
Olha o muro, olha a ponte
Olha o dia de ontem chegando
Que medo você tem de nós...
Olha aí
Você corta um verso e eu escrevo outro
Você me prende vivo e eu escapo morto
E repente...olha eu de novo
Pertubando a paz exigindo o troco
Vamos por aí eu e o meu cachorro
Olha um verso, olha o outro
Olha o velho, olha o moço chegando
Que medo você tem de nós....
Olha aí
O muro caiu, olha a ponte
Da liberdade Guardiã
O braço do Cristo – Horizonte
Abraça o dia de amanhã
Olha aí

Gostei muito, ele me passou uma sensação interessante. Senti lendo ele que é preciso lutar, insistir, defender o que você acredita até a morte se for preciso. É preciso ser livre e é preciso estar junto.
Enfim, espero que gostei e que tirem boas interpretações dele.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Erros.


Somos todos seres humanos. Somos todos imperfeitos. Nós erramos e erramos muito. Erramos ao brigar com nossos pais, ao sermos egoístas, ao gritar com um amigo por besteira, ao não respeitar os idosos... Enfim, oportunidades para errar é o que não falta ao ser humano. Erra gera conseqüências ruins: podemos perder oportunidades e pessoas que gostamos por uma besteira impensada. Por isso, meu leitor, quando errar com alguém, admita, se desculpe e aprenda com isso. Ter coragem de admitir que estava errado e se desculpar pode te ajudar a conseguir algo de volta.
É preciso aprender com cada experiência que temos na vida, aprender o que é o certo a se fazer e o que não se deve repetir.
Não precisamos ter medo de viver, medo de errar... Algumas coisas são inevitáveis. Ontem cometi dois erros por distração. A partir de hoje vou provar que eu não sou esse tipo de pessoas.

- Oi gente, estou de volta com mais freqüência agora. As aulas tão em ritmo quase normal agora e estão muito boas. Já estou tendo matérias de introdução a psicologia e a antropologia. É muito bom ter a oportunidade de aprender tantas coisas da área onde eu quero trabalhar.
Enfim, por hoje é só. Beijos.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Por que ás vezes é preciso mudar...



É sempre mais fácil enxergar os defeitos dos outros do que os nossos próprios. Dentro da nossa cabeça, somos ótimas pessoas, que nos comportamos bem, sabemos o que é certo e o que é errado, o que é legal e o que é mal. Mas a verdade é que cada um vê o mundo de acordo com o que. Só que o mundo é um lugar repleto de pessoas que vêem o mundo de maneiras diferentes. Ou seja, se você quer se dar bem com as pessoas, as vezes você precisa deixar de lado sua visão de mundo e colher pedacinho das visões de mundo das pessoas. E se você acha bonito ser cabeça dura e afirmar que não muda suas atitudes por nada, meu amigo, tenho que te dizer: você vai acabar sozinho.

Obs: quando eu disse que uma pessoa precisa mudar para se adaptar as outras pessoas eu não quis dizer que ela tem que abandonar sua personalidade e seguir a grande massa da população. O que eu quis dizer foi que às vezes, temos atitudes que vão acabar nos fazendo perder as pessoas que amamos, por que nos não percebemos o quanto elas são prejudiciais. É preciso, acima de tudo, saber por quem ou porque vale a pena mudar algo em sua atitude.


Há uns dias ganhei um selo da Barbara Salvan do blog Other World que eu não tive tempo de postar mais estou postando hoje. Vamos as regras:
- Postar o selo no seu blog;
- Dizer duas coisas que fazem você sorrir;
- Dizer uma coisa que faz você sorrir sobre o blog do qual recebeu o selo;
- Indicar o selo para 5 a 20 blogs e avisá-los.
Duas coisas que me fazem sorrir? Estar perto das pessoas que eu amo e ouvir musica.
O que me faz sorrir no blog que me indicou? A simplicidade e beleza como as coisas são escritas.
Indicados:
In.diferente
Trapos de palavras
A pseudociência
Pequenas coisas (
Elyenee Schneidereit

terça-feira, 18 de maio de 2010

Mais uma volta minha.

Depois de mais uma longa temporada ausente, aqui estou eu, de volta.
Descobri essa coisa maravilhosa do blogger draft através da Sarah Slowaska (que por sinal tem blogs muito bons). Agora posso mudar meu layout diariamente, com imagens muito legais, de maneira fácil rápida e divertida.
Enfim, hoje estou postando só para mostrar a cara nova do blog e contar a novidade: a greve dos professores da UnB acabou e já tive algumas aulas. Mas os servidores continuam em greve, ou seja, nada de restaurante universitário ou biblioteca. Mas concordo que eles têm que lutar pelos seus direitos, não aderi à greve dos alunos por que... Bem, por que sou caloura e estava morrendo de vontade de experimentar logo a vida universitária.
Enfim, tentarei comentar alguns blogs em breve e voltar a escrever sobre a vida, o universo e tudo mais.
Beijos, se cuidem.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Meu gosto

Muita gente gosta de parar e observar a natureza. Eu ,particularmente,acho isso um saco. Gosto mesmo é de observar as pessoas. Nenhuma pedra ou árvore consegue se equiparar com a beleza da complexidade de uma pessoa. Não dá pra simplesmente entender uma pessoa: pessoas são difíceis e misteriosas. São surpreendentes. E com pessoas pode se aprender infinitas coisas que infelizmente arvores e pedras não podem me dizer.

-Olá gente, esse texto eu escrevi há muito tempo atrás, na época que eu mudei pra Brasilia e cheguei a essa conclusão.
-Estou sumida do blog por que não tenho PC aqui, então não posso entrar na net a hora que eu quiser.
-A faculdade continua em greve, talvez a gente perca esse semestre (e eu, caloura, tava toda empolgada :/). Mas vai dar tudo certo.
-Ando passando muito tempo conversando com amigos daqui, conheci muita gente interessante e to aprendendo muito sobre o mundo.
-Enfim,por hoje é isso.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Crescendo..

Voce percebe que está crescendo quando para de se impressionar com attitudes dos outros e passa a se impressionar com o que voce tem feito na vida.
É quando o mundo fica muito cheio de possibilidades, e você fica perdido, mas não é por não saber o que fazer, mas por querer fazer um pouco de tudo e não saber como começar.
É quando príncipes encantados deixam de existir e você só quer saber de estudar, se formar e ser uma pessoa independente, para depois procurar um amor para sempre.
É olhar para algumas pessoas e se sentir muito velho e olhar para outras e se sentir muito infantil.
É ver que a maioria das coisas que acontecem realmente são relativas e que opiniões divergentes são muito comuns e geram as melhores discussões filosóficas.
É entender que as vezes ficar sozinho é a melhor solução. E que gritar não adianta: basta se impor com seriedade e os resultados virão.
É saber diferenciar amigos de colegas. E é saber fazer os amigos certos e bons.
É ir perdendo o medo aos poucos, se planejando, se surpreendendo e conquistando seu futuro por si mesmo.
E isso tudo é bem mais difícil que essas frases bobas que eu escrevi fazem parecer.


....

Caramba gente, só por que não deu pra comentar os blogs da galera meus comentários caíram de 14 para 3 :O
Mas ta de boa, agora espero ter mais tempo para a blogosfera. Principalmente agora que a faculdade esta em greve (é, no meu primeiro semestre a greve começa sem data pra acabar).
Os nossos veteranos da pedagogia nos receberam extremamente bem, sem trotes ofensivos. Fizeram so a gente se apresentar, conhecer o CA (centro acadêmico, o que representa o nosso curso) e nos deram uma palestra sobre o Enepe (Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia). Eu vou participar do trote solidário na semana que vem =D
Entao, por hoje é só, é sexta, é greve, nada pra fazer =D. Se cuidem.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Primeiros dias em Brasilia.

Já cheguei e estou acomodada em Brasília. Foi divertido o primeiro fim de semana, teve formatura da Ju e área 51, um bar que a galera da faculdade vai para jogar sinuca.
Mas a ficha ainda não caiu, parece que eu estou de passeio aqui.
Ainda nem bateu saudade da família, nem nervoso por ter que me virar sozinha (obviamente ainda não fui no supermercado...).
Ganhei uma eco-bag e uma caneca da faculdade, sabem como é esse negocio de sustentabilidade. Hoje vou comer no Restaurante Universitário e vou levar minha caneca, para evitar poluir o mundo com copos descartáveis (em compensação as trocentas sacolas de plástico que eu andei usando para organizar minhas malas).
Enfim, por hora é só isso que anda acontecendo, nada muito filosófico.
Amanha começam as aulas pra mim. Na faculdade começa hoje, mas eu não tenho aula nem segunda nem quarta.
Ando meio sem tempo de ler os blogs, mas sempre que puder vou dar uma conferida.

terça-feira, 2 de março de 2010

"Voando" amanhã.


A partir de amanhã não morarei mais com meus pais. Tem muita gente me julgando por isso, dizendo que é errado ir para longe dos pais. E o estranho é que: eu acho errado ir para longe dos pais para farrear e para casar, para estudar, não. E não é por que vou embora que não amo os meus pais, amo eles acima de tudo no mundo, eles e meus irmãos. Sem eles não teria metade da personalidade e educação que tenho hoje. Se eu consegui algo muito difícil, foi graças à vida que eles me proporcionaram e sou e serei eternamente grata.
Quando se vai estudar longe dos pais, é difícil e doloroso, é tanto tempo junto com eles, sob os cuidados e carinhos e de repente serei eu por mim mesma e ponto final.
Mas o que interessa é que estou indo cheia de coragem e planos. Realizar um sonho não é fácil. Acreditem, tudo é mais bonito e feliz quando está só no planejamento, a realidade de um sonho é tão difícil quanto qualquer dia-a-dia, cheia de problemas e soluções.
E dou a vocês um conselho de experiência própria: não sonhe em levar a vida fácil, por que ela vai ser sempre difícil. O importante mesmo é aprender a encarar as dificuldades e lutar pó aquilo que você acha que vale a pena. Grandes pessoas têm grandes sonhos que realizam a custa de muito trabalho... E eu estou só começando o meu.

Não sei quando voltarei a postar, tenho que arrumar mudança e me organizar em Brasília, mas assim que tiver uma oportunidade volto aqui.

"I'm getting ready to leave the ground..."
u2 - City of blinding lights

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Um texto de Charles Chaplin.

Embora tenha caído na boca do povo e todo mundo coloca frases do Charles Chaplin em orkut e msn, a maioria das pessoas não tenta aproveitar ao máximo o conhecimento passado por esse grande ator/escritor/compositor. O texto que vou postar descobri hoje e é um tipo de texto que eu (dramática, desesperada e reclamona como sou) deveria ler todas as manhãs. Espero que gostem.


Depende de mim - Charles Chaplin
Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque
meia noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar
porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar
triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas
finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças
por estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que
eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir
trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus. Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar
com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como
planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha
frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode
dar forma. Tudo depende só de mim.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Renovação.

Meu blog está com cara e personalidade nova.
Resolvi muda-lo para acompanhar a mudança que está ocorrendo na minha vida agora.
Não que eu tenha deixado de ser completamente a garotinha perdida, mas que eu encontrei alguns partes de mim e que eu não sou mais uma garotinha, isso é verdade.
É estranho ver o quanto eu cresci nos últimos meses, como aprendi a controlar partes negativas de mim e como estou ficando mais independente das pessoas (psicologicamente, por enquanto).

Agora, vou explicar para você por que escolhi esse novo titulo para o blog:
Learn to fly é uma musica da banda Foo Fighters. Eu gosto muito mesmo das letras deles, mas essa combina com o momento. Não sei vocês, mas meus pais se referem a minha saída de casa para morar tão longe dizendo que eu estou “voando”. E no fundo, nos somos como passarinhos, criados no ninho até certa idade, até aprendermos a voar. Eu vou aprender agora (mais especificamente na próxima semana) e quero usar meu blog para registrar essa experiência que provavelmente vai durar muito tempo (além de continuar com minhas reflexões...)
Enfim, espero que tenham entendido e gostado dessas mudanças radicais.
Eu gostei e estou na expectativa para a mudança e para o começo do curso.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Tempo de mudança.

É tempo de uma mudança muito grande para mim. Algo que vai e não vai voltar. Um pouco a perder e um pouco a ganhar....
Vou mudar o titulo do blog, por que já perdi a grande essência que tinha de garotinha perdida....
Hoje quero postar uma musica do Legião Urbana que há algum tempo não me sai da cabeça, gosto muito da mensagem que ela passa.



Tempo Perdido
Legião Urbana
Composição: Renato Russo


Todos os dias quando acordo
Não tenho mais
O tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo...

Todos os dias
Antes de dormir
Lembro e esqueço
Como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder...

Nosso suor sagrado
É bem mais belo
Que esse sangue amargo
E tão sério
E Selvagem! Selvagem!
Selvagem!...

Veja o sol
Dessa manhã tão cinza
A tempestade que chega
É da cor dos teus olhos
Castanhos...

Então me abraça forte
E diz mais uma vez
Que já estamos
Distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo...

Não tenho medo do escuro
Mas deixe as luzes
Acesas agora
O que foi escondido
É o que se escondeu
E o que foi prometido
Ninguém prometeu
Nem foi tempo perdido
Somos tão jovens...

Tão Jovens! Tão Jovens!...

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Pessoas e pessoas.


Cada ser individual é uma criatura extremamente complicada, cheia de idas e vindas de gostos e desgostos.
Um relacionamento envolve a mistura entre duas pessoas, cheias de diferença, que se gostam e querem ficar próximas, seja como amigos ou amantes, tanto faz, querer proximidade de alguém existe esforço de ambas as partes.
Existem alguns detalhes, mesmo nas pessoas que mais amamos, que nos repelem. Existem coisas em nos que também afastam as pessoas das quais gostamos.
Eu sou uma pessoa muito complicada, talvez mais complicada que as pessoas normais, mudo de humor, de gosto e de opinião, sou literalmente uma metamorfose ambulante.
E sendo complicada assim, meus relacionamentos também são meio loucos: não gosto de pessoas comuns, que sabem escutar (já que eu falo muito), que tenham personalidade forte e se destacam por algum motivo. Resumi aqui as características dos meus melhores amigos e do meu namorado (tem uma exceção para confirmar a regra, é claro).
Mas mesmo escolhendo essas pessoas, tenho que me adaptar aos defeitos (que são defeitos na minha opinião e qualidades na opinião de outros), aceitar certas coisas e até mudar algumas em mim.
O que as pessoas não entendem é isso: às vezes precisamos nos adaptar para sobrevivermos nesse mundo louco (leia-se manter as pessoas perto). Por que não adianta argumentar, ninguém é perfeito.
Todo mundo é único e cada um tem a vida para juntar uma coleção dessas peças raras que são as pessoas, cabe a cada um decidir qual delas vale a pena ser guardada consigo. Pela qual vale se sacrificar um pouco.

Frase do dia:
"O caráter de um homem é formado pelas pessoas que escolheu para conviver." (Sigmund Freud)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Primeiro Selo do ano.


Primeiramente, quero agradecer ao selo dado pela Gabrielle, do blog “Uma dose de tequila” pelo selo que ela me enviou. É uma coisa que parece meio bobinha ganhar um selo, mas é sempre bom receber elogios sobre algo que você fez.

7 Coisas sobre mim:
- Minha banda favorita é o U2.
- Sou viciada em café.
- Sou fã fanática e pirada de Harry Potter.
- Estou engordando.
- Tenho medo de escuro e de ficar sozinha.
- Acabei de passar no vestibular da UnB (acho que vale a pena ressaltar...)
- Gosto muito de pimenta.

7 blogs que na minha opinião merecem o selo:
- Momento Lala
- Loucos por virtude
- Elyenee Schneidereit
- A Pseudociência
- Pequenas coisas
- Causas pequenas
- Alessandro Ribeiro Coutinho
Que os indicados lembrem de postar as sete coisas e os sete blogs.

Sobre a postagem de ontem, prevalece a frase de que “Errar é humano e perdoar é divino...”.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Confiança perdida.


“Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la… E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.”
- O menestrel, Shakespeare

É, hoje é assim que eu me sinto. Confiei de mais, cegamente até, em meus amigos, e acabei constrangida e me sentindo muito humilhada por um deles.
Devia ter ouvido quando me disseram para não confiar cegamente nas pessoas... A cegueira não é uma coisa boa em nenhum sentido, tenho que aproveitar que tenho visão, mesmo que meio falha, para ficar de olho, desconfiada, a minha volta, para não cair em armadilhas que minha fraqueza e minha “boa fé” armam para mim.
O que aconteceu pode não parecer muito grave para muita gente, para uns até engraçado, mas, de acordo com minha concepção, foi uma brincadeira de péssimo gosto, ofensiva e abusiva.
Vou dar um conselho para quem lê meu blog: as pessoas são complicadas e às vezes muito irritantes, mas procure conhece-las, analisa-las e respeita-las. Quando for brincar com alguém, pense sempre em como você reagiria se estivesse no lugar da pessoa como você vai brincar, isso poupa muita discussão inútil. Leve as pessoas a serio, elas não são brinquedos, elas sentem e podem te surpreender com a sensibilidade delas.

Mas, para provar que tudo tem seu lado bom, pelo menos me deu sobre o que escrever, já que ando tão sem inspiração para o meu blog.
Enfim, sei que ninguém entendeu nada, mas o que aconteceu não vale a pena ser mencionado, é constrangedor de mais para mim.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Sonhar.



Foto da minha grande amiga e futura grande fotografa, Ana Strojake.

sonho
1. Conjunto de ideias e de imagens que se apresentam ao espírito durante o sono.
2. Fig. Utopia; imaginação sem fundamento; fantasia; devaneio; ilusão; felicidade; que dura pouco; esperanças vãs; ideias quiméricas.
3. Bolo muito fofo, de farinha e ovos, frito em azeite ou manteiga e passado por calda de açúcar.


sonhar
1. Ter um sonho ou sonhos.
2. Fantasiar; devanear.
3. Ter ideia fixa.
4. Pensar com insistência em.

Na minha opinião, sonhar é, em todos os seus significados, uma coisa boa.
Quando durante o sono, um sonho te torna qualquer coisa no mundo. Você pode experimentar a sensação de voar, de mergulhar, de nascer, de morrer e até de ressuscitar. Às vezes você é o senhor soberano de uma terra distante e às vezes é o escravo de um grupo de onças bailarinas. Não há limite, é a grande revolta da sua imaginação e do seu inconsciente. É a liberdade da mente em um dos sentidos mais amplos, em minha opinião.
Quando utopia é a válvula de escape que às vezes temos, quando conscientes, da loucura e confusão que experimentamos ao ser um ser humano.
Na vida real, sonhar desperta em nós coragem e determinação, que nos impulsionam em direção a realização do que é sonhado
E o doce chamado sonho é muito bom, principalmente com recheio de doce de leite e chocolate por cima.
Enfim, sonhar é ser um pouco de tudo, por sentir de tudo e poder ter tudo.
Não é algo que se possa controlar sempre, mas muitas vezes te trás sensações novas e boas, que fazem valer a momentânea falta de controle.

- Enfim, sonhei com metade desse texto por que fui tirar um cochilo indignada por não ter inspiração para postar no blog e resolvi postar isso. Se estiver mal escrito e confuso, justificativa a- acabei de acordar, b- to confusa.

Ps: Meu word não ta de acordo com a nova ortografia, quer que eu acentue idéia... que chato

Ps2: As vezes eu acho o mundo uma coisa muito psicodélica.

Ps3: Leiam "Através do espelho" de Jostein Gaarder.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Voltei de viagem.


Cheguei ontem de viagem. Foi cansativo: 17 horas para ir e 17 para voltar. Mas valeu a pena por que agora sou oficialmente uma universitária. Fui muito “zuada” por que sou caloura. Fiz pergunta idiotas, comi no R.U como uma aluna, peguei livro na grade biblioteca, tirei foto pra carteirinha e ganhei até um livrinho de calouro, que conta toda a historia da UnB, explica como ela funciona e tudo mais.

Mas enfim, o que eu vou postar hoje veio no meu e-mail, da minha amiga Ana Banana. Já tinha lido isso antes e achei extremamente interessante o ponto de vista dessa mulher.
Também to sem inspiração pra escrever algo bonito e poético (jet lag ainda tá pesado). Mas serio, leia:

Escrito por Regina Brett, 90 anos de idade, em The Plain Dealer, Cleveland , Ohio


"Para celebrar o meu envelhecimento, certo dia eu escrevi as 45 lições que a vida me ensinou. É a coluna mais solicitada que eu já escrevi."

Meu odômetro passou dos 90 em agosto, portanto aqui vai a coluna mais uma vez:

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.

2. Quando estiver em dúvida, dê somente, o próximo passo, pequeno .

3. A vida é muito curta para desperdiçá-la odiando alguém.

4. Seu trabalho não cuidará de você quando você ficar doente. Seus amigos e familiares cuidarão. Permaneça em contato.

5. Pague mensalmente seus cartões de crédito.

6. Você não tem que ganhar todas as vezes. Concorde em discordar.

7. Chore com alguém. Cura melhor do que chorar sozinho.

8. É bom ficar bravo com Deus. Ele pode suportar isso.

9. Economize para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.

10. Quanto a chocolate, é inútil resistir.

11. Faça as pazes com seu passado, assim ele não atrapalha o presente.

12. É bom deixar suas crianças verem que você chora.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que é a jornada deles.

14. Se um relacionamento tiver que ser um segredo, você não deveria entrar nele.

15. Tudo pode mudar num piscar de olhos. Mas não se preocupe; Deus nunca pisca.

16. Respire fundo. Isso acalma a mente.

17. Livre-se de qualquer coisa que não seja útil, bonito ou alegre.

18. Qualquer coisa que não o matar o tornará realmente mais forte.

19. Nunca é muito tarde para ter uma infância feliz. Mas a segunda vez é por sua conta e ninguém mais.

20. Quando se trata do que você ama na vida, não aceite um não como resposta.

21. Acenda as velas, use os lençóis bonitos, use lingerie chic. Não guarde isto para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Prepare-se mais do que o necessário, depois siga com o fluxo.

23. Seja excêntrica agora. Não espere pela velhice para vestir roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém mais é responsável pela sua felicidade, somente você..

26. Enquadre todos os assim chamados "desastres" com estas palavras 'Em cinco anos, isto importará?'

27. Sempre escolha a vida.

28. Perdoe tudo de todo mundo.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo ao tempo.

31. Não importa quão boa ou ruim é uma situação, ela mudará.

32. Não se leve muito a sério. Ninguém faz isso.

33. Acredite em milagres.

34. Deus ama você porque ele é Deus, não por causa de qualquer coisa que você fez ou não fez.

35. Não faça auditoria na vida. Destaque-se e aproveite-a ao máximo agora.

36. Envelhecer ganha da alternativa -- morrer jovem.

37. Suas crianças têm apenas uma infância.

38. Tudo que verdadeiramente importa no final é que você amou.

39. Saia de casa todos os dias. Os milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos nós colocássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos todos os outros como eles são, nós pegaríamos nossos mesmos problemas de volta.

41. A inveja é uma perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.

42. O melhor ainda está por vir.

43. Não importa como você se sente, levante-se, vista-se bem e apareça.

44. Produza!

45. A vida não está amarrada com um laço, mas ainda é um presente.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Bloguear.


“Bloguear” é expor um pedacinho de você para quem quiser descobrir. É publicar suas idéias na esperanças de encontrar alguém que as admire ou as conteste para com isso te ajudar a formar uma opinião e até mesmo formar seu caráter. É dar a cara à tapa ao falar de temas polêmicos, ao indagar, cutucar a ferida que as vezes está oculta por trás da mente fechada de muitas pessoas. É compartilhar sentimentos e acontecimentos. É encontrar gente interessante e desinteressante também. É fazer amigos e inimigo. É aprender a criticar e a ouvir criticas. Enfim: é descobrir um mundo novo, onde se manifestam pequenos pedaços de almas, cada um ao seu estilo.
Quando escrevo e posto em meu blog é isso que eu sinto: que eu estou dando alguma coisa para esse mundinho e que esse mundinho está me dando alguma coisa.
Muita gente acha que não pode fazer nada para mudar o mundo, mas todo mundo pode mudar um pedaço do mundo, desde que tenha coragem de se expor. E ser um “blogueiro” é isso: tentar mudar o pedaço do mundo que esta ao seu alcance através do teclado de um computador.

- Pauta para o Blogueando.

Escrevi com palavras caprichadas, mas falei como me sinto de verdade. Através do meu blog conheci pessoas admiráveis, que quando fazem uma postagem, corro desesperada para ler. Por que vale a pena.
To de layout novo, acho que finalmente encontrei o que eu queria.
Viajo amanhã, devo ficar afastada do blog até quarta ou quinta. Fazer registro na faculdade, sabem como é....

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Que esquisito!


É muito estranho quando se consegue realizar um sonho. Parece que você fica levemente entorpecido, espantado de mais com sua capacidade, que acabou se provando maior do que o que você acreditava.
Agora minha vida vai mudar muito e eu esperei muito por essa mudança.
Mas mesmo eu tendo esperado e me esforçado para isso, ainda sinto aquele frio na barriga.
Mas vai dar tudo certo.
Esse ano tudo pode acontecer.

PS: Parabéns pra mim, pro André e pro Chakal, aprovados nos vestibulares da Unb, da UFV e da USP.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Vitória!


Quem me dera hoje ter animo e inspiração para escrever o texto que a circunstancia merece. Mas só o que consigo dizer é: PASSEI NO VESTIBULAR DA UNIVERSIDADE DE BRASILIA.

Sou caloura de pedagogia, vou sofrer muito quando chegar lá e estou muito feliz por isso!
Obrigada Deys, mãe, pai, irmãos, amigos, cespe, amigos do blog....!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

O que eu quero.


Como é difícil ser uma pessoa vivente! Exige muito mais esforço do que se parece. Primeiramente por que todos têm, em algum momento da vida, a falsa ilusão de que estão vivos enquanto apenas existem. A frase é clichê, mas é verdade. Quando você olha a sua volta, vê que sua vida não faz sentido, que as pessoas que você admirava não fazem sentido e se pergunta: “Por que eu estou aqui, nesse mundo?Qual meu objetivo? É apenas isso: viver, crescer, morrer?”. Nesse momento, você deixa de existir e passar a viver. Passa a perceber a realidade, a formar sua opinião. Você pega sim alguns pedaços de opiniões, mas constrói a sua de uma maneira original. E aí você enxerga e vê como tudo é tão mais difícil do que parece.
Pois tem tanta gente que não sabe que está sendo controlada, manipulada. Tanta gente que não tem pretensões, grandes ou pequenas. E essas pessoas acham que são tanto e são tão pouco. Mas elas tem um potencial tão incrível e você consegue ver elas desperdiçando isso e tenta ajudar e elas são tão convencidas de que já vivem na plenitude de sua sabedoria que te ignoram.
Ai você se sente só, encurralado. Um estranho, uma ovelha no meio de lobos que querem te matar e comer sua carne.
Cabe a você decidir ceder ou resistir. Armar uma arapuca para os lobos e fugir, em paz.
Isso é tudo que eu quero.

Para a maioria, quão pequena é a porção de prazer que basta para fazer a vida agradável!
Friedrich Nietzsche

-Ando filosofando tanto, que chega a ser chato. Mas é a vida: filosofar, desenhar (mesmo que mal, só como arteterapia mesmo) e isolar meus pensamentos para poder analisá-los é o que vem me mantendo mentalmente saudável ultimamente.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Ser humano.



- Image de Salvador Dalí.

O que é ser humano? É ser mais um animal que nasce, cresce, se reproduz e morre? Não. O ser humano pode ter seus instintos animais, mas o que o destaca é o descontentamento em só seguir somente o ciclo da vida. Ele quer mais: quer ser lembrado, venerado, idolatrado, estudado e amado. Quer ter poder, não para sobreviver de poder, só para ter, para subjugar, para ser maior, para não ser igual. É claro, nenhuma criatura é igual, mas a ambição do humano vai alem da aparência e do emocional.
Para chegar ao seu objetivo, muitos seres humanos fazem coisas absurdas: declaram guerras, matam milhões de pessoas, deixam milhões de pessoas morrerem... Soldados morrem por um homem que está protegido em uma cadeira confortável, famílias são despedaçadas, crianças morrem de fome e doenças. Mas para um ser humano sedento de poder, seu objetivo vale mais que algumas vidas.
Então ele se acha o forte, o mais poderoso de todos os animais. O animal que raciocina, não segue só os impulsos naturais. Se acha mais forte que a natureza.
Mas a natureza não aceita calada, ela revida. Desastres como os do Haiti são a prova de que o ser humano não é invencível, de que é frágil. Milhares de pessoas morrem todo ano de desastres naturais como tsunamis, terremotos, tornados, neve, chuva, vulcão e não por causa do objetivo ninguém. Morrem por morrer, ninguém ganha nada.
Agora me pergunto: será isso o que comove o ser humano? O fato de haverem mortes em vão? Que não vão dar poder e riqueza a ninguém, mas sim, tristeza e prejuízo? Talvez seja isso o que comova o mundo inteiro. Por que solidariedade pelo amor à vida humana não é.
Antes do terremoto no Haiti, muitos morriam de fome e doenças e não havia essa mobilização extrema para resolver a crise. Em outros lugares do mundo pessoas morrem por esses mesmos motivos e não se vê desespero e lamentação pelas crianças famintas.
É lógico, não posso generalizar, há quem ajude e quem sofre por isso. Mas manda quem tem dinheiro e quem tem dinheiro quer mais dinheiro e para conseguir dinheiro, uma vida a mais ou uma vida a menos não interessa. Afinal, são tantas pessoas que nascem todos os anos...
Eu não posso dizer o que motiva os poderosos a, nesse tipo de crise, aderir à causa de ajudar os que estão em prejuízo. Eu sei que eu sinto pena e solidariedade pelas vidas perdidas. Pois muitas dessas pessoas sofreram muito enquanto vivas e morreram em meio a sofrimento e pobreza. Mas também não posso dizer o que faria se tivesse poder para mudar alguma coisa. Não seria hipócrita e diria que o poder nunca vai subir a minha cabeça, se um dia eu o tiver.
Sou, parte da minoria. Não a minoria em quantidade, por que nesse caso pessoas como eu sou maioria, sou minoria em termos financeiros e fico aqui parada de mãos atadas, por não tenho poder nem para governar minha própria vida em liberdade. Só o que posso é sentir pena e escrever esse texto expondo meu ponto de vista. Talvez ele seja admirado e lembrado. Isso, por hora, me basta.

Pauta para o Blorkutando – 70ª semana.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Ser e fingir.




Os homens deviam ser o que parecem ou, pelo menos, não parecerem o que não são.
(William Shakespeare)


Se tem uma coisa que realmente não me agrada é gente que finge ser o que não é.
Todo mundo conhece alguém que acha que é a criatura mais inteligente da terra e que não precisa aprender mais nada. Isso não existe.
As maiores mentes da humanidade admitiram muita vezes que desconheciam muitas coisas.
Mas o que me deixa mais intrigada é o fato de que ser você mesmo é simples e fácil e as pessoas insistem em tentar ser um personagem, o que dá muito trabalho.
Eu já tentei ser vários tipos de pessoas: já quis ser a super-inteligente, a estilosa e até a popular.
Nunca funcionou, por que eu não sou nada disso.
Eu sou simplesmente uma pessoa que aprendeu muitas coisas diferentes, inúteis para muita gente, que gosta de ler e ver coisas engraçadas, gosta de historias de romance, fantasia e magia (sim, se tem uma coisa que eu sei é sobre Harry Potter), estudo que nem louca para passar em um vestibular muito disputado com uma prova filha de uma chocadeira, não sei fazer tarefas domesticas e durmo muito bem, obrigada. Tenho um namorado que todo mundo julga ser “esquisito” e que eu acho simplesmente maravilhoso. Tenho meus amigos, cada um a seu estilo, cada um com seu gosto, mas que são leais e tem um detalhe que me chama atenção. E eu sou muito boa em falar coisa que não presta. E sou filosofa de botequim (ou melhor, filosofa de sábado à noite com os amigos).
A intenção do texto não é me apresentar, é expor a minha aceitação.
Eu não quero dizer que aceito a condição de ser assim para sempre. Eu sou assim agora, mas se eu quiser, eu mudo.
Mas eu não vou fingir mudar, não vou criar um personagem bobo.
Eu vou simplesmente evoluir a minha personalidade. Lentamente ou rapidamente? A velocidade não interessa. Interessa o resultado.
Prefiro ser assim, ignorante para uns, inteligente para outras. Do que ser como pessoas que eu conheço, que se acham tão superiores e não tem nada, só fingem ter. Gente que se finge de inteligente, mas não usa a inteligência. Gente que se acha esperta, mas parou no tempo.
Se alguém conseguir tirar alguma lição desse texto confuso e subjetivo, já vai ter valido a pena escreve-lo, mesmo parecendo insanidade.
Por que como diz a musica do Audioslave, no fim, ser você mesmo é tudo o que você pode fazer.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Do erro até a felicidade.




Obs: Esse texto escrevi baseado em um tema sugerido, provavelmente não ficou muito bom (não escrevo muito bem pressionada), mas preciso treinar para minhas futuras redações e o melhor jeito que encontrei foi esse. Enjoy.

Todos nos, seres humanos imperfeitos, erramos. Isso é um fato. Mas errar não é problema, o problema é não aprender nada com isso.
Essa é a verdadeira utilidade do erro: aprender. Na verdade, toda e qualquer experiência que temos nos faz aprender alguma coisa.
Só que quando você erra com alguém ou consigo mesmo você tem que revisar e corrigir toda uma parte de você que está errada. O erro te faz mudar.
Quando você acerta uma determinada coisa, tem a falsa ilusão momentânea de que tudo que você fez foi perfeito. E muitas vezes não foi, mas você insiste nisso, até descobrir a verdade.
E a verdade é que, em algum momento, você cometeu um erro.
E ai você muda sua forma de pensar e de agir.
E isso te faz evoluir, te faz uma criatura melhor, mais próxima de si mesma, dos outros e da felicidade.
Por que a perfeição não pode ser alcançada, mas a felicidade sim e o caminho para ela não é obvio e fácil de percorrer, pelo contrario, é cheio de pedras e desvios e às vezes você precisa retroceder um pouco e mudar seu rumo, lembrando sempre que, o que você busca é maior que qualquer dificuldade. E no fim vale a pena.

- Pauta para o Blorkutando (minha primeira - gostei do tema).

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Seriados:

Pra diversificar um pouco as coisas sobre as quais eu posto aqui e para fugir um pouco do tema filosófico e de reflexão profunda resolvi postar um resuminho dos meus seriados favoritos. Afinal, seriados são como filmes gigantes! Quer coisa melhor que um filme gigante?

Glee:

Um comédia musical que retrata o grupo do coral de uma escola típica americana. O que me chama a atenção é o fato de os personagens serem os excluídos, que acabando encontram no glee o lugar ao qual eles realmente pertencem.

The Big Bang Theory:

Uma comédia de nerds que trabalham em uma universidade. O que me chama a atenção é tudo na serie. Quem nunca viu, veja.

The Vampire Diaries:

Sim, eu tenho uma queda por vampiros. Principalmente vampiros maus, cruéis, machões e que no sol virão cinza e não purpurina. Gosto da forma como a magia é misturada com o universo vampiresco e do romance.

Heroes:

Eu sempre quis ter super-poderes (quem nunca quis). E ver eles retratados em um “filme gigante” faz parecer mais possível. Algumas temporadas são meio confusas, mas eu acho que no fim vai fazer algum sentido.

Friends:

Quem nunca ouviu falar de Friends pode pular de uma ponte. A amizade entre eles é o que mais me agrada e lembra minha relação com meus amigos.

Fringe:

Experiências onde as cobaias são os seres humanos espalhados por ai? Muito bom! É a única serie de mistério e até um leve suspense que me agrada.


Enfim, por hoje é só. O template novo não combina, ainda estou a procura de outros. Quando a inspiração baixar, posto algo interessante.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Se perder.


Quanto mais você ama, mais você sofre. É um fato. Amar não é viver de perfeição e coisas boas. Amar é mais sofrimento, é mais dificuldade, é mais pedra no caminho do que alegrias. A sorte é que as alegrias que o amor traz são tão intensas que valem os tantos momentos de dificuldade.
Só que, pela segunda vez, eu estou descobrindo que o amor excessivo que eu tenho por algumas pessoas está destruindo minha personalidade já perturbada. Eu sinto que eu preciso mudar radicalmente, como uma vez eu já mudei. Mas eu não quero perder as pessoas que conquistei.
Estou perdida, literalmente. Perdida em mim mesma e na confusão que virou minha vida. Estou nadando nesse mar de incertezas e saudades em busca de algo bom que eu possa levar disso tudo.
Eu sinto que eu precisava explodir e fugir. Não ser mais eu. Mas eu gosto muito, mas muito mesmo, para desistir.
E é verdade que os bonzinhos só se ferram. Eu queria me moldar pra não ser boazinha, mas também não ser muito cruel. Queria achar um meio termo. Uma saída.
E vou continuar procurando. E espero continuar sendo eu mesma.

E eu me pergunto se passar o que eu passo por causa de algumas pessoas vale a pena. Pessoas são tão instáveis e tendem a magoar umas as outras. E eu com essa mania de dar minha cara a tapa.

Mas, como disse Fernando Pessoa, tudo vale a pena se a alma não é pequena.

Espero ter uma alma grande.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

A grande verdade:


As pessoas deveriam ser menos complicadas para o seu próprio bem. O chato é que se isso acontecesse, as pessoas seriam bem menos interessantes.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Somos livres?

liberdade
s. f.
1. Direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem.
2. Condição do homem ou da nação que goza de liberdade.
3. Conjunto das ideias liberais ou dos direitos garantidos ao cidadão.
4. Fig. Ousadia.
5. Franqueza.
6. Licença.
7. Desassombro.
8. Demasiada familiaridade.


Obs: O texto está meio confuso, muito subjetivo, muita gente vai achar ultrajante. Só que o blog é meu, logo, posto minhas idéias. Se você tem uma mente aberta para a opinião dos outros, será bem vindo com suas criticas, desde que tenha bons argumentos, se não, poupe seu tempo e vá fazer alguma outra coisa na internet.



Um dia um amigo meu me disse que queria ser o mais livre que fosse possível e que para isso precisava do máximo de dinheiro possível.
Muita gente vai pensar: “Que cara ganancioso” ou “Isso é ridículo”. Eu mesma dei uma bronca nele no dia e falei que ele não podia pensar assim, que dar para ser livre sem muito dinheiro... Agora, alguns meses depois, esse assunto voltou a minha cabeça.
Muitos dos meus professores sempre questionaram a turma com aquele ar superior: “Vocês acham que, agora, anos depois da escravidão somos homens livres?”. Eu conclui que não. Somos escravos de pequenos pedaços de papeis imprimidos em um lugar chamado Casa da Moeda.
Eu acho triste, mas é verdade. Não somos totalmente livres e não creio que um dia seremos.
Se eu fosse livre, pegava um avião se pagar nada e iria para Europa ver os museus. Ai quem estiver lendo vai dar uma risadinha “Mas aí você tá querendo de mais! Ir até de avião!”. Se esse é o problema, vou construir um barco. Mas vocês realmente acham que os portos dos paises de lá vão me deixar entrar assim feliz, com meu barquinho humilde e sair passeando. Pode ser que sim e eu esteja sendo ignorante e desinformada, mas eu acho que não. E provavelmente eu nem sobreviveria a travessia do Atlântico mesmo.
E o argumento de que temos liberdade de pensamento? Graças a Deus! Pelo menos isso! Podem me fazer dizer o que quiserem, mas nunca poderão me coagir de pensar ao contrario (alguém famoso disse isso, mas não lembro quem...).
Mas não temos liberdade de expressão. Ou pelo menos achamos que não temos. Acompanhe meu raciocínio: você trabalha? Seu chefe tomou um decisão estúpida? Você disse para o seu chefe que a decisão dele era estúpida e trabalha no mesmo lugar até hoje? Muito provável que não, a não ser que seu chefe seja um cara muito legal, justo, bonzinho. E por que ele se expressa como quer e você não? Por que ele tem mais papelzinho impresso na Casa da Moeda que você, tanto que ele te dá alguns em troca do seu trabalho e da sua liberdade.
E o que eu concluo disso tudo? A liberdade plena do ser humano se consiste ou em ter muito dinheiro ou em viver como um homem das cavernas esquecendo os prazeres que a tecnologia nos proporcionou. Eu particularmente prefiro a parte do muito dinheiro, mas não sei se um dia vou conseguir isso, me contento com poder pensar em ver as coisas do jeito que eu acho certo e poder até mudar um pouquinho o que eu acho errado de acordo com o sistema. Eu queria muito ser anti-capitalista, disposta a lutar por algo mais justo. Mas a vida não é justa, as que pessoas podem ou não ser Fazendo minha parte vou conquistar gloria na liberdade com a qual eu nasci: a de pensar e associar as coisas. E vai valer a pena.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O Senhor Destino.

Coragem
s. f.
1. Firmeza de ânimo ante o perigo, os reveses, os sofrimentos.
2. Fig. Constância, perseverança (com que se prossegue no que é difícil de conseguir).

Destino:
s.m
1. Combinação de circunstâncias ou de acontecimentos que influem de um modo inelutável.
2. Situação resultante dessa combinação

Dizem que a coragem de tentar fazer uma coisa que te dá medo e é extremamente difícil, mas que você quer mais do que tudo no mundo, já é meio caminho andado para a realização disso. Será que isso é verdade? E se você for corajoso e ainda assim a vida ou o mundo ou o destino ou Deus esfregarem sempre na sua cara que é preciso bem mais que isso? E se você se dedicar e o azar te acompanhar?
Afinal, o destino existe? É tudo premeditado e não há para onde fugir?
Eu acreditava que o destino era uma coisa que a gente construísse. Mas agora eu vejo que o destino é o que julga o que a gente constrói. Se for um bom investimento, ele deixa a construção de pé e dá até uma verba para aumentá-la. Se para ele (o destino) é um negocio ruim ele simplesmente derruba sua construção, sem dó nem piedade, pois, afinal, quem é você e do que valem seus esforços perto de algo tão grandioso quanto à vontade do Senhor Destino?
Tudo bem, perseverar pode ser uma opção, vencer pelo cansaço. Mas e quando tentam te dissuadir a desistir do seu grande sonho por que o bendito destino não acha que é bom para você? Você deve aceitar e desistir ou lutar contra o mundo inteiro, até conseguir e jogar na cara de todos que você podia? Que você é capaz de conseguir o que quiser?
Na minha humilde e provavelmente inútil opinião, as pessoas deveriam poder escolher e os ventos deviam soprar a favor das escolhas. Se for a escolha errada, a pessoa sofre, mas teve a chance de tentar.
E por que eu não posso ter essa chance?
Minha coragem não basta, minha perseverança esta desanimando.
E o pior de tudo é ver as pessoas que eu amo, as pessoas que me apoiavam indo a favor do destino.

O destino, nesse texto, também pode ser interpretado como Deus. Eu acredito em Deus, mas no momento estou um tantinho chateada com Ele. Mas um dia li em um texto que Ele agüenta a barra. Ou talvez não agüente e eu seja castigada. O mais provável é que eu já esteja sendo.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Lição de moral by Calvin:

Eu não sei quem vai entender, por que só achei a tirinha em inglês, mas essa tirinha de Calvin e Haroldo (obra de Bill Watterson) é genial e traduz o que eu estou sentindo hoje. A maioria das pessoas já leu alguma tirinha dele em livros escolares, mas eu aconselho as pessoas a baixar o ebook ou comprar os livros. É genial.



Caso alguém se interesse nas tirinhas, visite o Depósito do Calvin

Sim, estou sem criatividade para postar algo original, ainda estou em busca de um layout legal. Quando a inspiração subitamente aparecer eu posto algo que eu escrever e que vale a pena ser lido.